Coleta de lixo entra em colapso e chove críticas a Tadeu

Bairro da Liberdade é um dos afetados pelo colapso na coleta de lixo (Foto: Divulgação)

Desde o final do ano passado, o acúmulo de lixo tornou-se uma constante nos bairros urbanos e rurais. A equipe da Prefeitura não tem dado conta do serviço de coleta e o resultado não poderia ser outro: muita sujeira, mau cheiro e transtorno aos moradores.

“Aqui, no CDHU Ayrton Senna, eles passam uma vez por semana. Está horrível!”, desabafou, em rede social, a munícipe Luciana Corrêa. “A situação deve estar ruim em outros bairros, também. Ontem vi uma senhora descarregar cinco sacos de lixo em contêiner localizado na marginal”, completou.   

Na Vila Elvio, a situação é semelhante. O acúmulo de lixo atinge proporções suficientes para fazer transbordar as caçambas. Tamanha omissão por parte do poder público gera preocupação e revolta entre a comunidade do bairro. “Faz duas semanas que não temos coleta. Fica tudo espalhado, cheirando mal e juntando moscas. Tá feia a coisa aqui”, escreveu Arilma Oliveira.

 

“O lixo fica todo espalhado em volta das caçambas, cheirando mal e juntando moscas”, Arilma Oliveira, moradora da Vila Elvio.

 

Meio ambiente – Além dos problemas típicos desse tipo de situação, o colapso no serviço oferecido pela Prefeitura acarreta em impactos ambientais diversos. A moradora Mari Leite Machado, por exemplo, chegou a admitir que tem incinerado os resíduos.

A prática, embora considerada natural em muitas comunidades, consiste em crime ambiental. A poluição causada pelo fogo gera uma fumaça formada por gás carbônico. A concentração dessa substância na atmosfera colabora para o aumento do efeito estufa.

 

Prefeitura responde – Em comunicado, o governo José Tadeu de Resende (PSDB) alegou que, neste período, há grande acúmulo de resíduos doméstico por conta das festas de final de ano. “Esclarecemos que, em nenhum momento, os trabalhos foram paralisados”, diz a nota enviada pela Assessoria de Imprensa. O Município afirma, ainda, que intensificou os trabalhos da coleta e que tem se empenhado para regularizar o serviço.

 

"O prefeito Tadeu sempre dificultou as coisas”, Bianca Silveira

 

Críticas – Para alguns munícipes, todavia, a situação tem relação direta com a política do atual governo em relação ao funcionalismo público – sobretudo no que diz respeito aos trabalhadores lotados na Garagem. Antes mesmo de assumir o governo, no final de 2016, Tadeu pediu para que fosse retirado de pauta o projeto de lei que criava o plano de carreira dos servidores públicos. Em agosto do ano passado, Prefeitura e funcionários entraram em atrito, devido ao não pagamento de horas extras trabalhadas pela equipe.

As relações conflituosas são apontadas, por vários cidadãos, como a causa do colapso na coleta. “É difícil os funcionários darem conta do trabalho sem as condições necessárias. Esse prefeito sempre dificultou as coisas nessa área”, apontou Bianca Silveira. Já Tati Vieira, por sua vez, adotou tom mais agressivo ao responsabilizar o atual chefe do Executivo pelo transtorno. “Resumindo: péssimo prefeito. Nunca prestou!”. 

Leia também:
Sindicato diz que falta estrutura e denuncia perseguição
Prefeitura abre sindicância contra coletores
 

 

Comentar