Sindicato diz que falta estrutura e denuncia perseguição

Funcionários trabalham na coleta de resíduos; sindicato diz que nove servidores foram afastados

Nesta segunda-feira (8), o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, Marquinho Coletor, manifestou-se a respeito das falhas na coleta seletiva. Ele rebateu boatos de que os trabalhadores estariam em greve e afirmou: os problemas são ocasionados por falta de estrutura.

“Os coletores trabalham normalmente, apesar das péssimas condições em que se encontra o setor”, comentou o dirigente. Segundo ele, a equipe estaria desfalcada em nove funcionários. Todos eles teriam sido afastados do departamento após protestarem pelo não pagamento de horas extras trabalhadas, em agosto do ano passado.

 

"Foi represália por parte da Prefeitura", Marquinho Coletor

 

Perseguição – “Foi represália. Um dia após aquela reunião no gabinete, três deles foram remanejados para outras funções”, denunciou o sindicalista. Ainda de acordo com Marquinho, o secretário de Serviços Públicos, Godofredo “Bube” Werner teria avisado a um motorista que “iria para cima” daqueles que fossem contra a Administração por conta das horas extras.

“Além disso, a Prefeitura não paga direito o período trabalhado a mais”, continua Marquinho Coletor. “Eles nos obrigam a trabalhar até mais tarde, mas sem que haja compensação”, pontuou. O presidente do sindicato afirmou que, apesar da existência de um relógio de ponto eletrônico, o Executivo leva em consideração um papel preenchido a mão, pelo encarregado da Garagem, sem assinatura do funcionário.

 

"O Bube avisou que iria para cima de quem fosse contra a Administração" 

 

Marquinho Coletor expôs, ainda, que tão logo a Câmara volte do recesso, será protocolado um ofício. “Nossa intenção é expor aos vereadores o que acontece, para que eles nos ajudem”, destacou.

 

Leia também:
Coleta entra em colapso e chove críticas a Tadeu
Prefeitura abre sindicância contra coletores de lixo

 

 

Comentários

Que é isso Bube? Ditadura?

Comentar